À mesa no Natal

    This site uses cookies. By continuing to browse this site, you are agreeing to our Cookie Policy.

    • À mesa no Natal



      À mesa no Natal

      Natal, tempo de Paz, harmonia, nascimento e renascimento dentro de cada um de nós. É a época do ano em que nos faz bem juntarmo-nos em família, trocar presentes e lembrar aquele SER pequenino que está ali no presépio e veio ao mundo para salvar a Humanidade.


      E por ser a data em que normalmente as famílias se juntam, nada melhor que festejar o acontecimento com as mais deliciosas iguarias próprias da época.

      Cada País, cada região, cada família tem os seus hábitos próprios quanto à gastronomia para a Ceia de Natal e Dia de Natal.

      O que se come no Natal em Portugal

      Em Portugal, a Ceia de Natal tem um prato de excelência. O bacalhau, ingrediente dos mais típicos da cozinha portuguesa, é o rei das mesas natalícias e marcará presença na maioria dos lares. Será cozido e acompanhado com tudo a que tem direito - batatas, grão, cenouras, couve portuguesa (também chamada couve galega, tronchuda ou penca) e ovos, tudo muito bem regado com o bom azeite português. E a acompanhar decerto não faltam os bons vinhos e sumos para a criançada.

      Em algumas regiões do País também se serve polvo cozido, mas não sei como é confeccionado (além de que é cozido, claro).

      A anteceder a ceia e durante toda a quadra festiva, não falta uma mesa de servir, recheada daquilo que até os olhos comem – toda a variedade de frutos secos, rabanadas, filhoses, arroz doce, broas de mel e bolo-rei, etc., etc. Tudo aquilo que a imaginação e o bolso podem abarcar, estará presente e constantemente reposto.

      A acompanhar estas delícias, estão sempre à disposição licores e deliciosos vinhos abafados.

      O almoço do dia de Natal é normalmente reservado para os assados: Peru, que antigamente era criado e reservado especialmente para esse dia e nos dias actuais se encontra em qualquer supermercado e em qualquer época do ano, cabrito, cordeiro ou borrego assado, ou mesmo outras carnes, galo ou galinha, porco ou coelho. O acompanhamento são batatas, assadas junto às carnes ou em separado. Também podem acompanhar uns belos grelos de couve ou feijão verde cozidos. Eu particularmente, gosto de acompanhar o assado com puré de batata e ervilhas estufadas. E, para acompanhar estas delícias assadas, continua-se com bom vinho ou opta-se por espumantes.

      Para o jantar, como durante todo o dia se come, não há muito que fazer – o que sobrou do almoço e também o que sobrou de véspera – com o que sobrou do cozido de bacalhau faz-se uma deliciosa roupa-velha.

      Há quem troque estas refeições, preferindo a roupa-velha para o almoço e servindo os assados ao jantar. Depende dos hábitos da família, ter as refeições mais leves ao almoço ou ao jantar.

      Mas não é só falarmos nestas iguarias, vamos ver como se fazem alguns destes pratos.

      Bacalhau cozido com todos, creio que não tem dificuldade e não haverá em qualquer família, quem não saiba fazer.

      Vamos então passar adiante e ver como se faz a Roupa-velha.

      Roupa-velha


      Este prato, aproveita as sobras de bacalhau, batatas, couves e ovos de véspera. (Normalmente já se cozem a mais precisamente para sobrarem).

      - Limpa-se o bacalhau de peles e espinhas e desfaz-se em lascas.
      - Cortam-se as batatas às rodelas grossas e as couves em pedaços. Os ovos em rodelas.
      - Picam-se cebolas e alhos e refogam-se em azeite (generosamente) e com uma folha de louro.
      - Adiciona-se o bacalhau, as batatas e a couve, rega-se com um pouco de vinagre (eu gosto do de sidra), tempera-se com pimenta moída na altura e salteia-se.
      - Coloca-se na travessa de servir, põem-se por cima os ovos e azeitonas, quem gosta salpica com salsa ou coentros e se necessário põe-se mais azeite.

      Se tiverem sobrado cenouras e grão também se podem juntar ao saltear.

      Pronto, é só comer… e chorar por mais.

      E agora, vamos ver duas receitas: peru assado e borrego assado.

      Como a minha culinária caseira é pouco sofisticada, vou apresentar-vos as duas receitas, retiradas de óptimos sites de culinária

      Peru assado


      Display Spoiler

      Ingredientes
      - 1 Peru de 4 ou 5Kg
      - 1Kg sal
      - 2 Cálices de aguardente velha
      - 3 Limões
      - 8 Dentes de alho
      - 100g de margarina
      - 2 Cebolas médias
      - 1 Folha de louro
      - 250g de bacon
      - 1 Colher de sopa de pimenta
      - 1 Colher de sopa de colorau
      - 2 ou 3 Laranjas

      Preparação
      Depois de arranjado, pega-se no peru, coloca-se num alguidar e tempera-se com o sal, os dois cálices de aguardente e os limões às rodelas. Em seguida cobre-se o peru com água fria. Deixa-se assim durante um dia.

      No dia seguinte, retira-se o peru da água e seca-se bem, por dentro e por fora, com um pano.

      À parte, preparar uma pasta com o alho, a margarina e o colorau. Barra-se o peru, por fora, com essa mesma pasta.

      Colocar o peru barrado num tabuleiro ou assadeira, juntamente com as cebolas descascadas, o bacon em fatias, a folha de louro e a salsa. Tempera-se com pimenta e rega-se com o sumo de laranja.

      Levar o peru ao forno bem quente (240C) durante 20 minutos. Reduzir depois para 200C. Durante o tempo de cozedura, regar o peru com o molho que se vai formando no tabuleiro.

      Para saber quando o peru está assado, usar uma agulha de tricot que se espeta no peito e coxas do peru: se ao retirar a agulha o líquido sair transparente, então o peru está pronto a ser servido.

      Borrego assado


      Display Spoiler

      Ingredientes
      -1 Perna de borrego com cerca de 1800g
      - 1500g de batatas para assar
      - 2 Colheres de sopa de banha
      - 2 Colheres de sopa de massa de pimentão
      - 6 Dentes de alho picados
      - 1 Cebola bem picadinha
      - 125 ml de azeite
      - 2 Folhas de louro
      - 500 ml de vinho branco
      - Sal q.b.
      - Pimenta q.b.
      - Colorau q. b.

      Preparação
      1. Numa tigela, junte a massa de pimentão, a banha, metade dos alhos, pimenta e sal. Pouco, porque a massa de pimentão já é salgada.
      Misture tudo com um garfo.

      2. Coloque a perna de borrego num tabuleiro de ir ao forno.
      Barre toda a perna com a mistura de massa de pimentão.
      Deixe a tomar gosto durante 30 minutos.

      3. Numa tigela, tempere as batatas com sal, pimenta e colorau.
      Junte os restantes alhos, a cebola e o azeite.
      Mexa e deixe tomar gosto durante 30 minutos.

      4. Passados os 30 minutos, coloque no tabuleiro, as folhas de louro e as batatas à volta da carne.
      Junte o vinho branco ao marinado das batatas, mexa e regue as batatas e a carne.

      5. Leve ao forno nos 160º durante 1 hora e meia.
      A meio do tempo, vire a perna de borrego e se necessário, acrescente um pouco de água para o molho não secar.
      Depois da carne assada está pronto a servir.

      E voltando à minha cozinha simples. Deixo-vos aqui como eu faço as Rabanadas!

      Rabanadas


      Normalmente uso pão cacete médio a pequeno. Não gosto das fatias muito grandes pois partem-se mais facilmente ao embeber no leite. Então vamos lá:

      - O(s) cacete(s) cortados às fatias (com, de 1 a 2 cm de espessura).
      - Leite, ovos, canela, açúcar e óleo.

      Põe-se o óleo a aquecer em lume um pouco mais que médio (atenção que o óleo demasiado quente, altera-se e faz mal à saúde).

      Num recipiente fundo coloco o leite onde ponho as fatias de modo que fiquem cobertas.

      Depois escorro-as um pouco de modo a retirar o excesso de leite.

      Passo-as depois por ovo batido – viro dos dois lados e ponho a fritar. Quando um lado está frito viro-as e depois retiro-as para cima de papel absorvente (papel de cozinha).

      Após escorrerem e arrefecerem ligeiramente, ponho-as num recipiente final e polvilho-as com canela e açúcar dos dois lados.

      E agora: Arroz doce!

      Arroz doce

      Normalmente nunca faço muito de cada vez. Prefiro fazer mais vezes. O meu olho já está habituado para, 1 copo (tipo duralex) de arroz.

      Gosto de usar arroz carolino para o arroz doce. Pode ser mania minha, mas é esse que eu gosto.

      Num tacho ponho a água suficiente para que cubra o arroz (ponho a olho). Ponho um pau de canela, duas tiras de casca de limão (muito fininhas para não terem a parte branca) e um pouco de sal.

      Quando começa a ferver ponho o arroz e baixo o lume.

      Quando está quase a secar, acrescento dois copos de leite e deixo ferver e reduzir o leite. Baixo o lume o máximo possível.

      Nesta altura, retiro a casca de limão e o pau de canela e vou acrescentando sempre o leite aos copos e mexendo com frequência, principalmente quando o leite diminui para o arroz não pegar.

      Após gastar cerca de um litro de leite, adiciono um copo (a mesma medida do arroz) de açúcar e continuo sempre a mexer e a acrescentar leite. Normalmente mais 2 ou 3 copos de leite.

      O arroz deve ficar muito macio.

      Depois de cozido, deito numa travessa ou outro recipiente e enfeito com canela.

      Há quem ponha gemas de ovo no arroz doce mas eu não gosto.


      E pronto, gostaram?
      Agora já têm algumas dicas para os pitéus de Natal então, não deixem de comentar e


      Consultas:

      natal.com.pt/preparacao-peru-assado
      saborintenso.com/f16/perna-borrego-assada-4844/


      Nota: Não utilizei o Acordo ortográfico

      Redator(a): megar
      Editor(a): Maicon Mad
      Chefe de Redação: Alem da Lenda
      O Tempo pergunta ao Tempo,
      Quanto Tempo o Tempo tem
      O Tempo responde ao Tempo
      Que o Tempo tem tanto Tempo
      Quanto Tempo o Tempo tem


      Eu não tenho inimigos, tenho fãs revoltados


      Beta - DJE, My - -KJ-, Alpha - NZDOM

      The post was edited 14 times, last by Maicon Mad ().